domingo, julho 03, 2016

Dia de Portugal - 2016

quinta-feira, dezembro 10, 2015

Assine a petição!

domingo, junho 07, 2015

10 de Junho Marcha da Nacionalidade

10 de Junho - Marcha da Nacionalidade

sexta-feira, setembro 26, 2014

UM BISPO QUE É UM PRÍNCIPE DA IGREJA

Colhida num espaço digital de Espanha, insiro aqui uma carta notável do Ex.mo e Revd.mo Bispo de Alcalá de Henares, cuja catequese é tão válida lá como cá, porque é válida para o mundo inteiro!
Mons. Juan Antonio Reig Pla: LLAMAR A LAS COSAS POR SU NOMBRE



 

 (Por su interés, reproducimos íntegramente el siguiente texto del Obispo de Alcalá de Henares):
1. El Presidente del Gobierno de España y del Partido Popular ha confirmado la retirada de la reforma de la ley del aborto que pretendía “limitar” cuantitativamente el “holocausto silencioso” que se está produciendo. Mantener el derecho al aborto quiebra y deslegitima el supuesto estado de derecho convirtiéndolo, en nombre de la democracia, en una dictadura que aplasta a los más débiles. Ninguna ley del aborto es buena. La muerte de un solo inocente es un horror, pero “parecía” que “algo” estaba cambiando en las conciencias de algunos políticos relevantes respecto del crimen abominable del aborto (Cf. Concilio Vaticano II, Gaudium et spes, 51).
Dicho esto conviene denunciar, con todo respeto a su persona, que el Presidente del Gobierno ha actuado con deslealtad respecto a su electorado al no cumplir su palabra en esta materia, explicitada en su programa electoral; también ha actuado con insensatez pues ha afirmado que lo sensato es mantener el “derecho al aborto”, es decir, el derecho a matar a un inocente no-nacido, el crimen más execrable. Además ha faltado a la verdad, pues su partido tiene mayoría absoluta en el Parlamento y, sin embargo, afirma que no hay consenso, algo que no ha aplicado a otras leyes o reformas infinitamente menos importantes.
Ha llegado el momento de decir, con voz sosegada pero clara, que el Partido Popular es liberal, informado ideológicamente por el feminismo radical y la ideología de género, e “infectado” como el resto de los partidos políticos y sindicatos mayoritarios, por el lobby LGBTQ; siervos todos, a su vez, de instituciones internacionales (públicas y privadas) para la promoción de la llamada “gobernanza global” al servicio del imperialismo transnacional neocapitalista, que ha presionado fuerte para que España no sea ejemplo para Iberoamérica y para Europa de lo que ellos consideran un “retroceso” inadmisible en materia abortista.

2. Respecto al Jefe de la Oposición en el Parlamento, también con todo respeto a su persona, hay que afirmar que se ha mostrado falto de rigor intelectual y con un déficit de sensibilidad ante la dignidad de la vida humana. Es asombroso comprobar cómo telefonea a un programa de televisión para denunciar la violencia contra los animales, y, sin embargo, olvida la violencia criminal contra dos millones de niños abortados: decapitados, troceados, envenenados, quemados… Desde la lógica del horror el Secretario General del PSOE ensalzó en la Estación de Atocha de Madrid el mal llamado “tren de la libertad” en el que algunas mujeres reclamaban “el derecho a decidir matar inocentes”; este tren, como los trenes de Auschwitz que conducían a un campo de muerte, debería llamarse, no el “tren de la libertad” sino, el “tren de la muerte”, del “holocausto” más infame: la muerte directa y deliberada de niños inocente s no-nacidos.
3. Como es verificable, el Partido Popular con esta decisión, se suma al resto de los partidos políticos que, además de promover el aborto, lo consideran un derecho de la mujer: una diabólica síntesis de individualismo liberal y marxismo. Dicho de otra manera, a fecha de hoy ‒ y sin juzgar a las personas ‒, los partidos políticos mayoritarios se han constituido en verdaderas “estructuras de pecado” (Cf. San Juan Pablo II, Encíclicas Sollicitudo rei socialis, 36-40 y Evangelium vitae, 24).
4. En el orden cultural, y bajo la presión del feminismo radical, se ha trasladado el punto de mira del aborto; se ha deslizado desde el tratamiento como un crimen (No matarás) a la consideración de la mujer como víctima. Es verdad que la mujer es también víctima, abandonada en muchas ocasiones ‒ cuando no presionada para que aborte ‒, por el padre de su hijo, por su entorno personal y laboral y por la sociedad; también es cierto que sufre con frecuencia el síndrome post-aborto, etc.; pero, si bien algunas circunstancias puede disminuir la imputabilidad de tan gravísimo acto, no justifican jamás moralmente la decisión de matar al hijo por nacer. Esto hay que denunciarlo al tiempo que hay que acompañar con misericordia y «adecuadamente a las mujeres que se encuentran en situaciones muy duras, donde el aborto se les presenta como una rápida solución a sus profundas angustias» (Papa Francisco, Evangelii gaudium, 214).
Pero, como digo, lo específico del aborto es que se trata de un crimen abominable: «el que mata y los que cooperan voluntariamente con él cometen un pecado que clama venganza al cielo (Cf. Gn 4, 10)» (Catecismo de la Iglesia Católica, n. 2268). No se puede justificar, apelando a la libertad, lo que de sí es una acción criminal que mata a un inocente, corrompe a la mujer, a quienes practican el aborto, a quienes inducen al mismo y a quienes, pudiendo con medios legítimos, no hacen nada para evitarlo. La Iglesia Católica, Madre y Maestra, en orden a proteger al inocente no-nacido e iluminar las conciencias oscurecidas «sanciona con pena canónica de excomunión este delito contra la vida humana. “Quien procura el aborto, si éste se produce, incurre en excomunión latae sententiae” (CIC can. 1398), es decir, “de modo que incurre ipso facto en ella quien comete el delito” (CIC can. 1314), en las condiciones previstas por el Derecho (Cf. CIC can. 1323-1324). Con esto la Iglesia no pretende restringir el ámbito de la misericordia; lo que hace es manifestar la gravedad del crimen cometido, el daño irreparable causado al inocente a quien se da muerte, a sus padres y a toda la sociedad» (Catecismo de la Iglesia Católica, n. 2272). Es necesario evidenciar que nos encontramos ante una verdadera crisis de civilización.
5. Por otra parte, diré más: se debe aclarar que no es justificable moralmente la postura de los católicos que han colaborado con el Partido Popular en la promoción de la reforma de la ley del aborto a la que ahora se renuncia. La Encíclica Evangelium vitae del Papa San Juan Pablo II no prevé la posibilidad de colaboración formal con el mal (ni mayor ni menor); no hay que confundir colaborar formalmente con el mal (ni siquiera el menor) con permitir ‒ si se dan las condiciones morales precisas ‒ el mal menor. Dicha Encíclica (n. 73) lo que afirma es: «un problema concreto de conciencia podría darse en los casos en que un voto parlamentario resultase determinante para favorecer una ley más restrictiva, es decir, dirigida a restringir el número de abortos autorizados, como alternativa a otra ley más permisiva ya en vigor o en fase de votación. […] En el caso expuesto, cuando no sea posible evitar o abrogar completamente una ley abortista, un parlamentario, cuya absoluta oposición personal al aborto sea clara y notoria a todos, puede lícitamente ofrecer su apoyo a propuestas encaminadas a limitar los daños de esa ley y disminuir así los efectos negativos en el ámbito de la cultura y de la moralidad pública. En efecto, obrando de este modo no se presta una colaboración ilícita a una ley injusta; antes bien se realiza un intento legítimo y obligado de limitar sus aspectos inicuos».
6. Con afecto hacia las personas y con dolor, también debo decir que, en ocasiones, algunas instancias de la Iglesia Católica que camina en España no han propiciado, más bien han obstaculizado, la posibilidad de que aparezcan nuevos partidos o plataformas que defiendan sin fisuras el derecho a la vida, el matrimonio indisoluble entre un solo hombre y una sola mujer, la libertad religiosa y de educación, la justicia social y la atención a los empobrecidos y a los que más sufren: en definitiva la Doctrina Social de la Iglesia. Gracias a Dios el Papa Francisco ha sido muy claro respecto del aborto en su Exhortación Apostólica Evangelii gaudium (nn. 213 y 214).
7. Como en tantas otras ocasiones de nuestra historia, es momento de apelar a la conciencia de los católicos españoles. Ante nosotros, tal vez, se abre la posibilidad de “un nuevo inicio” y en todo caso un amplio abanico de acciones simultáneas, entre las que quiero destacar:
a) Hay que mantener firme el propósito de la evangelización, de la gestación de nuevos cristianos y de la atención en nuestros “hospitales de campaña” (Cáritas, Centros de Orientación Familiar, etc.) de tantas personas heridas (física, psíquica y espiritualmente) que esperan nuestro amor, nuestra misericordia y nuestra ayuda, siempre desde la verdad.
b) Insistir en la educación sexual y en la responsabilidad de las relaciones sexuales, es decir, educar para el amor.
c) Insistir en la abolición total de toda ley que permita el aborto provocado directo y promover la aprobación de leyes que protejan al no-nacido, la maternidad y las familias.
d) Suscitar una respuesta civil organizada y capaz de movilizar las conciencias.
e) Hacer una llamada a promover iniciativas políticas que hagan suya, integralmente, la Doctrina Social de la Iglesia.
f) Estudiar por enésima vez la posibilidad de regenerar los partidos políticos mayoritarios, aunque hasta ahora estos intentos han sido siempre improductivos.
8. El camino va a ser largo y difícil, ya sucedió con la abolición de la esclavitud. La maduración de las conciencias no es empresa fácil, pero nuestro horizonte, por la gracia de Dios, es el de la victoria del bien. Este es tiempo de conversión. Así pues, todos (mujeres y varones, profesionales de la sanidad y de los medios de comunicación, gobernantes, legisladores, jueces, fuerzas y cuerpos de seguridad, pastores y fieles, etc.) estamos obligados en conciencia a trabajar y defender con todos los medios legítimos “toda la vida” de “toda vida humana”, desde la concepción y hasta la muerte natural, empezando por los no-nacidos y sus madres; si no lo hacemos, la historia nos lo recriminará, las generaciones venideras nos lo reprocharán y, lo que es definitivo, Dios, el día del Juicio, nos lo reclamará: era pequeño, estaba desnudo e indefenso y no me acogisteis (Cf. Mt 25, 41-46).
 
 En Alcalá de Henares, a 24 de septiembre del Año del Señor de 2014
Ntra. Sra. de la Merced

Mons. Juan Antonio Reig Pla
Obispo de Alcalá de Henares

quarta-feira, maio 14, 2014

A ESCRAVIDÃO E O ABORTO

O texto, que segue, é muito curto. Compu-lo em resposta a uma notícia publicada no 'FB', vinda de Espanha.


A relação entre escravidão e aborto limita-se ao facto de terem uma mesma estrema: a que separa o bem do mal. Não aceito outra semelhança fora desta.

Levado por aquele comentário, passei para outra página onde vinham os cinco pontos afins entre escravidão e aborto. Não estão mal apresentados e provavelmente mais haverá para quem procure com capacidade de análise. Eu não perco tempo a fazê-lo, porque me basta o que posso juntar àqueles pontos e que aqui vão:
  1. O escravo, se tiver sorte, pode fugir ao amo. E o feto?
  2. O escravo, se é valente, pode reagir ao amo. E o feto?
  3. Ao escravo, tira-se-lhe a dignidade de pessoa humana. Ao feto, tira-se-lhe a vida, suporte daquela dignidade!
  4. A triste condição do escravo impressiona o vulgacho, sempre mais sensível ao que se vê: sai na comunicação social, é de bom tom falar nisso. O feto jaz envolto em silêncio, é o grande olvidado!
  5. As cartas paulinas, conhecedoras de uma realidade sociológica insuperável na época,  recomendam ao servo que respeite o seu senhor, e a este que trate bem o escravo (1). Como é possível exortar o feto a ser dócil a quem o mata, ou pedir ao assassino que seja afectuoso com a sua vítima? Nunca a Igreja contemporizou com o crime do aborto, porque no dia em que o fizesse, já não seria Igreja!

A coincidência de que sejam cinco os pontos que enuncio, esta coincidência, repito, resulta por mera casualidade. Não tem outro propósito, até porque se trata de um tema sobre o qual, ou fixamos o seu fundamento imutável, ou entramos num sem-fim de razões.
   
Na minha opinião, pois, o aborto é muito mais pecaminoso do que a escravidão.
 
Adaptando a luminosa máxima do requeté, que nos anime a esperança de que cada feto abortado, diante de Deus, não será um santo anónimo!
 

 Joaquim Maria Cymbron
 
__________________________
    1. Ef. 6, 5 e ss.; Col. 3, 22; Tit. 2, 9; 1 Ped. 2, 18 e s.
 
JMC

sexta-feira, outubro 04, 2013

CAMINHADA PELA VIDA

1 – Dia 5 de Outubro saímos à rua para a anual caminhada pela Família e pela Vida. 2 – O tema é a iniciativa europeia “Um de Nós” que recolheu já mais de um milhão de assinaturas, e que pede à União Europeia (EU) que respeite o Ser Humano em qualquer fase do seu desenvolvimento. Que o embrião, seja sempre protegido e nunca objecto de destruição ou manipulação. Pede-se que a U.E. pare com qualquer financiamento que destrua vidas humanas. A Europa tem de honrar a sua matriz e ser baluarte dos Direitos Humanos, da cultura da igualdade e da dignidade de cada ser humano. Não podemos pactuar e financiar com os nossos impostos a destruição e a morte deliberada de seres humanos. 3 – Quando em Portugal vivemos uma gravíssima crise de natalidade temos de olhar para a Família, baseada no casamento entre um homem e uma mulher como principal viveiro da sociedade, e assim objecto preferencial da nossa adesão. 4 – Falamos da alegria e das dificuldades da vida em família. 5 – Falamos, no encontro entre um homem e uma mulher, que se completam e que têm de vencer dificuldades de relacionamento, algumas vezes, tantas, impostas por dificuldades externas (desemprego, dificuldades económicas, educação dos filhos) mas que em cada dia, em cada ano, vêem construir um projecto maior que responde ao desejo do seu coração. 6 – Falamos da abertura à vida dentro da Família, que permite à mãe dizer “tens os olhos do teu pai”, ou ao pai dizer “tens mesmo o feitio da tua mãe”… sempre com muito orgulho daqueles que nos hão-de continuar numa “clonagem” natural e maravilhosa. 7 – Falamos da educação dos nossos filhos em liberdade, sem o jugo estatal que entra na nossa casa e rouba o que de mais querido temos. 8 – Falamos da solidariedade intergeracional, que não tem custos no Orçamento do Estado e que é expressão concreta de amor e ternura (e dificuldades, sempre) e que deixa a maior das saudades de cada etapa que ficou para trás (quando os meus filhos eram bebés… quando levei o Francisco à escola, quando o Afonso entrou em medicina, quando o Tomás foi operado, quando o meu pai esteve em coma, quando deixei o Bernardo no Colégio … eu estava lá). Tenho história para contar. Eu sou estas histórias. 9 – Falamos de políticas públicas de apoio à Família. E nós, os portugueses sabemos bem do que se trata. A todos os níveis. Ainda agora, nas eleições autárquicas (que importante é o poder local!) num tempo de desaire eleitoral para um partido, conhecemos aqui bem perto um concelho em que o primeiro eixo do programa eleitoral era “A Família”. E ali estavam muitos dos nossos caminhos escritos. Aí, nesse concelho, esse partido teve a maioria absoluta (refiro-me a Mafra). O Povo sabe o que quer. Vota pela Família, não vota contra a família. 10 – Muito caminho está por fazer nesta aventura que é o Futuro. Por isso vamos na Caminhada por cada Um de Nós no próximo dia 5 de Outubro. Contamos com todos, com cada Um de Nós. Isilda Pegado Federação Portuguesa pela Vida

sábado, maio 25, 2013

Co-adopção | Retrocesso civilizacional

O projecto de lei que propunha a co-adopção por casais do mesmo sexo foi aprovado na passada sexta-feira no Parlamento, com 99 votos a favor, 94 votos contra e nove abstenções. Votaram 202 dos 230 deputados, tendo vários abandonaram o hemiciclo antes do início da votação. Votaram a favor as bancadas do BE, PCP, PEV, a maioria dos deputados do PS e 16 deputados do PSD. Abstiveram-se três deputados do PS, três do PSD e três do CDS. E votaram contra a maioria dos deputados do PSD e do CDS, assim como dois deputados do PS. Em primeiro lugar, é preciso afirmar que, para além de constituir mais um brutal retrocesso civilizacional, esta medida em nada, mas mesmo em nada, defende os superiores interesses da criança. Para já, numa adopção, visa encontrar-se uma família “nas melhores condições possíveis, para dar [às crianças] uns pais substitutivos dos pais biológicos que perderam ou que são incapazes de exercer a paternidade e a maternidade”. No PNR, não “engolimos” a desculpa de que as crianças podem ser melhor tratadas por um casal homossexual do que por um casal heterossexual. Claro que podem, mas comprova-se estatisticamente que essas situações não constituem a regra geral. Fazemos nossa a voz daqueles que consideram que é patente que toda a criança, na sua evolução para o estado adulto, necessita da complementaridade da masculinidade e feminilidade, que lhe dão, em primeiríssimo lugar, o pai e a mãe biológicos ou a família que os substitui. Só um casal, constituído por uma mulher e um homem, tem a estrutura antropológica objectiva para a educação harmoniosa de uma criança. É também preciso dizer sem medos e sem receios que, entre as parelhas homossexuais (nunca lhes chamaremos casais), a promiscuidade e violência e as separações são sobejamente superiores aos dos casais, colocando portanto as crianças num maior risco de traumas. São as estatísticas que o comprovam. Sabíamos que estava na agenda da esquerda, do lóbi gay e da Nova Ordem Mundial mais este ataque a um pilar da nossa civilização que é a Família, e que esta abertura vai dar lugar dentro de algum tempo à aprovação plena da adopção. Começaram pelo “casamento homossexual”, agora vão para essa bizarria que é a co-adopção por “casais homossexuais”, dentro em breve quererão impor a adopção livre por parte de parelhas homossexuais, sempre à pala de uma esquerda cujo plano para nos impor o seu modelo de utopia passa pela destruição das Nações e da Família, mas que conta com o “beneplácito e conivência” de frouxos do PSD e do CDS, a quem foi concedida liberdade de voto. Aqueles que acham que o CDS (sem nunca o ter afirmado peremptoriamente) defende o valor da Família mostram, uma vez mais, que andam enganados. Mas só porque querem. Prova-se mais uma vez que as diferenças entre esquerda e direita, entre liberais, ou lá o que lhe quiserem chamar, e comunistas ou esquerdalhos é cada vez menor, não se percebendo muitas vezes onde acaba a agenda de uns e começa a de outros. Já existem um pouco por todo o mundo organizações que defendem a pedofilia. Estará para breve o aparecimento de “estudos” que a “legitimem” e a consideram normal e que, em nome da liberdade de expressão, nos obriguem a aceitá-la? Essa mesma pedofilia à qual muitos desses esquerdalhos têm visto o seu nome ligado, tanto em Portugal como no estrangeiro? E o que virá depois? A legalização da necrofilia? Ou do canibalismo? Afinal de contas, para os defensores da libertinagem, tudo é relativo, todos os “desejos” do ser humano são “naturais”, logo todos os padrões morais que os limitem poderão muito bem começar a ser vistos como “conceitos retrógrados” e “coisas do passado”. Está na altura de dizer basta: a Família, tal como a temos conhecido até aqui, é comprovadamente um dos principais pilares da sociedade em que vivemos, e as crianças precisam de ser protegidas e os seus interesses acautelados. O PNR defende abertamente a Vida e a Família sem quaisquer rodeios, contrariamente aos partidos do sistema, adeptos da cultura da morte ou coniventes com a mesma e reféns de lóbis que querem destruir a nossa identidade e civilização. Aos que querem de facto ver a sobrevivência destes valores, deixamos pois um apelo: abram os olhos e juntem-se a nós!

Etiquetas: ,

sexta-feira, maio 17, 2013

Contra a adopção de crianças por homossexuais


Em Novembro/Dezembro de 2009, o recém-criado PPV alertava os portugueses para o perigo de que, se não sentissem a devida oposição social, os políticos poderiam vir a aprovar o casamento gay com direito de adopção de crianças. Para o evitar, promoveu uma campanha de adesão das autarquias locais (assembleias de freguesia e assembleias municipais) à seguinte declaração, inspirada no nº 7 da Convenção Internacional sobre os Direitos da Criança:
"Toda a criança tem desde o nascimento o direito a ser criada e educada por um pai e uma mãe, sempre que possível os seus pais biológicos."
Esta campanha saldou-se por um assinalável êxito, tendo chegado a atingir os representantes autárquicos de 3.022.103 cidadãos até meados de 2010.
Não obstante, três anos volvidos, eis que o "lobby gay" volta à Assembleia da República com a segunda fase do plano, pretendendo ver aprovada agora a adopção que na altura não tiveram a coragem de defender. Neste quadro e em nome de uma imensa maioria de cidadãos que sabemos estar contra esta medida, vimos exigir da Assembleia da República o respeito pelos valores e convicções mais firmes e estruturantes da sociedade portuguesa, reconhecendo que o "superior interesse da criança" está no defesa do seu direito a ser criada e educada por um pai e uma mãe.
Assim sendo, em nome do povo pro Vida e pro Familia de Portugal, exigimos dos senhores deputados à Assembleia da República que, nas votações das propostas de co-adopção por casais(?) homossexuais, do próximo dia 17 de Maio, representem adequadamente a vontade geral, votando contra ambos os projectos, do Partido Socialista e do Bloco de Esquerda. Num momento de aguda crise económica e social, consideramos ofensivo para tantas famílias em dificuldades que os "deputados da nação" percam tempo com debates e medidas desta natureza, que em nada contribuem para a resolução dos grandes problemas com que o nosso país se confronta.

Guimarães, 16 de Maio de 2013
PPV - Direcção Política Nacional