quarta-feira, julho 11, 2007

Um país em vias de extinção

No ano de 2006, registaram-se em Portugal menos 4100 nascimentos que no ano anterior. Estes números colocam as taxas de natalidade e fecundidade aos níveis mais baixos desde que há registos.
De acordo com os dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), no ano passado nasceram 105 351 bebés. O número médio de filhos por mulher caiu dos 1,41 para 1,36.
No período 1987 e 2006, a taxa de natalidade decresceu dos 12,2 para 10. o adiamento da maternidade e o declínio da fertilidade são dois factores que podem explicar a diminuição do número de bebés. Actualmente é a faixa etária entre os 30-34 que apresenta maior taxa de fecundidade.
O cenário mais pessimista do INE aponta para uma diminuição da população portuguesa até 2050. Se nada for feito, Portugal vai ver a sua população reduzida a 7,5 milhões de pessoas naquela data.

Vários jornais destacam hoje o facto de no ano que passou Portugal ter registado o ponto mais baixo de sempre nas suas estatísticas sobre natalidade e fecundidade.
Perante este quadro, que só por si justificaria um sobressalto de alarme em qualquer povo que mantivesse o instinto de sobrevivência, ao que se assiste entre nós?
Ressoam as campainhas de alarme e reclamam-se políticas de natalidade que permitam inverter a tendência?
Nem pensar. A prioridade das políticas de saúde oficialmente promovidas é o abortismo instituído: fazer tudo o que for possível para que toda a população tenha acesso fácil e imediato ao aborto livre e gratuito, vencendo todas as resistências e objecções.
Os portugueses são uma espécie em sério risco de extinção, mas nenhuma instância parece preocupada em assegurar a sua sobrevivência. Há muito mais comoção à volta da águia de Bonelli ou do lince da Malcata.
Já éramos um país de suicidas, e tornámo-nos um país suicida.

1 Comentários:

Anonymous libertas escreveu...

Somos um povo com extinção a prazo...

Em 1962 nasceram 220 mil crianças. Em 2006 105 mil. Em 44 anos menos de metade.

7/12/2007 12:31:00 da manhã  

Enviar um comentário

<< Entrada