sábado, outubro 28, 2006

Mulheres em acção

Na intimidade deste blogue confesso aos meus leitores, e especialmente às minhas leitoras, esperando que não levem a mal, um segredo que normalmente guardo só para mim: não gosto nada de ouvir falar em igualdade homem-mulher, e figuras de estilo associadas. Sou reaccionário demais para me habituar a tal igualitarismo – e incomoda-me a conversa, que sempre me pareceu de péssimo gosto. Geralmente fico a acariciar a barba, e a pensar como hei-de agradecer todos os dias ao Criador ter-nos feito assim diferentes.
Não é que não goste das mulheres – pelo contrário, é por gostar demasiado. Gosto tanto que nunca entendi em que pode uma mulher sair dignificada por ser considerada igual a mim. E, admito, também tenho certo apreço pelas minhas diferenças – do que resulta não encontrar graça nenhuma em que me digam igual a esta ou aquela.
Neste ponto, aliás, acrescento que também me causa incómodo falarem-me que todos os homens são iguais. Sei de alguns com que não me atrevo a comparar-me. E também conheço outros com que não admito comparação alguma.Vem isto a propósito do elogio que quero fazer ao site da Associação "Mulheres em Acção", e às boas vindas que lhes quero endereçar daqui. O mundo precisa de acção, não de conformismo e ideias feitas no "prêt-a-porter" do tempo – e sempre que os homens falham são as mulheres que dão lições.
Mulheres, mas que cultivem a santa virtude da insolência, como falava Robert Brasillach a propósito de Joana d'Arc, exaltando a "magnífica virtude da insolência": "não há virtude de que mais precisemos hoje. É um bem precioso que devemos não deixar perder: o falso respeito das venerações falsas é o pior dos males". "(...) é bom arriscar a vida na insolência, quando não amamos senão as verdadeiras grandezas".
Senhoras: marquem as diferenças!

6 Comentários:

Blogger Pedro Almeida escreveu...

Mas sempre pela direita, pela extrema-direita claro!!
Heil idiotas!!!

10/28/2006 11:20:00 da tarde  
Anonymous Anónimo escreveu...

Este almeida coninhas, coitado, não deve muito à inteligência.

10/28/2006 11:59:00 da tarde  
Anonymous Anónimo escreveu...

Ai adoro adoro adoro discursos fascizóides em tom de confidência de alcova! Uiiiiiii... fofucho!

10/29/2006 01:03:00 da manhã  
Blogger Irredutível escreveu...

Todas as pessoas que por cá têm passado a defender a liberalização não tem culpa de não saber debater ideias. Ao invés, a culpa deve ser imputada ao ensino que temos que só os ensina a contradizer dizendo parvoices ou palavras soltas, insultuosas e que eles pensam que valem muito.

Vamos lá ver a brincadeira, porque com essa atitude só nos dão mais vontade para continuar!

10/29/2006 11:07:00 da manhã  
Anonymous Rita escreveu...

"sempre que os homens falham são as mulheres que dão lições"? Não sei se será demasiado machista ou se prima pela falta de inteligência(peço desculpa a ofensa")mas eu, mulher, não dou lições quando os homens falham, eu acerto e falho indepentemente deles (ponto número 1) e considero que a igualdade entre sexos não é uma tentativa de nos transformar em seres andróginos mas sim em individuos com caracteristicas próprias e igualidade de oportunidades.

10/30/2006 04:44:00 da tarde  
Anonymous Anónimo escreveu...

O Irredutivel e um bom exemplo da educacao portuguesa, e com cada pontape na gramatica que ate doi...argumentar nada...apenas se limita no alto do poleiro (atras do monitor) a debitar chorrilhos de merda.

10/31/2006 08:43:00 da manhã  

Enviar um comentário

<< Entrada