quinta-feira, novembro 02, 2006

Os Abortófilos

(Segue-se o artigo do Padre Nuno Serras Pereira que determinou a sua condenação em juízo).

Anda por aí, à solta, um género de gente extremamente perigosa que tem, positivamente, um horror aos bebés nascituros e um fascínio obsessivo pela sua morte. De há uns anos a esta parte tem andado num sobressalto, numa agitação, num desassossego, uivando palavras homicidas, estabelecendo estratégias mortíferas, elaborando leis assassinas, engendrando julgamentos mediáticos para alcançar os seus objectivos tenebrosos, reivindicando estudos manipuladores sobre a realidade do aborto a fim de conseguir a sua liberalização, levando a cabo, nas escolas, uma deseducação sexual estruturalmente pornográfica e, consequentemente, irresponsável, impondo uma mentalidade contraceptiva/abortiva, etc., etc..
Esta gente, que constantemente incita ao crime, goza de grande publicidade na comunicação social e de muita ascendência na política. Nomes sonantes vêm agora, à centena, propor a criação de uma conta bancária “para ajudar mulheres sem meios económicos a interromper a gravidez no estrangeiro de forma legal e segura [?]” (Público, 15. 05. 2002). Repare-se bem que não se trata de ajudar a mãe, com dificuldades económicas, a criar o seu filho; pelo contrário, o dinheiro ser-lhe-á dado sob condição de o matar. Para isso, e só para isso, haverá auxílio. Tal é a veemência da “paixão” desta gente pelo aborto! Porque se há algo que fica claro com esta proposta é que o seu propósito não é de modo nenhum acabar com o homicídio/aborto mas sim acabar com a clandestinidade, facilitando-o. Porém, numa tentativa de esconder, perante si mesmos e os outros, o óbvio adiantam com uma hipocrisia maquiavélica ou com uma cegueira cínica: “ Com esta proposta ... não pretendemos promover o aborto, mas ajudar as pessoas”!! (Idem). De modo que, para esta gente, cumpliciar-se na matança da pessoa do filho, destroçando, desse modo, a vida da pessoa da mãe, é uma grande ajuda, uma obra de solidariedade! Surrealismo semelhante só, mesmo, em Sade (“o radicalismo abortista é filho do sadismo” - cf. V. Possenti, Filosofia e Societá – studi sui progetti ético-politici contemporanei, Massimo-Milano, 1983).
Neste mesmo dia 15 de Maio, demonstrando uma coordenação notável, o Diário de Notícias e o Público entrevistam Angela Gomez, presidente da Federação Internacional de Planeamento Familiar (IPPF, iniciais em inglês), que por “coincidência” se encontrava em Portugal. A IPPF, uma organização serial killer, é a segunda ONG maior do mundo, sendo que a primeira é a Cruz Vermelha, e é a instituição que mais promove o homicídio/aborto a nível mundial. O seu ramo em Portugal é a APF – esta “sucursal”, generosamente subsidiada e patrocinada por sucessivos governos, ao longo de décadas, dá formação aos nossos políticos, esteve implicada, como motor principal, em todas as investidas abortistas em Portugal, foi condecorada, em 1998, pelo Presidente Jorge Sampaio e viola impunemente a lei quando lhe convém.
Nestas elucidativas entrevistas Angela Gomez esclarece: “estamos presentes em 182 países e todas as nossas associações trabalham de forma igual no mundo ... O plano estratégico é o mesmo e os padrões que tentamos alcançar também, mas há obviamente diferenças entre os países e para cada um procuramos, dentro do nosso plano estratégico, um nicho onde o governo local não esteja a actuar e onde possamos promover a nossa causa ... devemos oferecer um aborto seguro porque é um direito da mulher ... A IPPF lida com os grupos parlamentares de vários países - incluindo Portugal, onde o contacto é feito através da APF -, no sentido de promover as mesmas ideias no mundo, sendo esta, afirma Angela Gómez, a «nossa forma de influenciar as leis». (DN, 15. 05. 2002). Segundo ela “do ponto de vista legislativo ... Portugal continua «atrasado» ... uma questão que foi aflorada durante a reunião com os três deputados (do PS, PSD e CDS/PP) que colaboram com a APF na cooperação internacional. Para além de abordar a problemática dos direitos sexuais e reprodutivos [esterilização, contracepção e aborto], ... aproveitou para sensibilizar os parlamentares para o apoio que Portugal pode prestar nesta matéria às populações das antigas colónias ... ” (cf. Público, 15. 05. 2002). Angela Gomez disse ainda da sua surpresa “com a «elevada prevalência» do uso de métodos anticoncepcionais pela população, actualmente da ordem dos 80 por cento ... «É uma das percentagens mais altas que tenho visto», confessou ...” (Idem).
Esta agradável surpresa, este contentamento, pela eficácia do trabalho da sua organização em Portugal (a APF), a ser verdade, deveria constituir para a Igreja e para todos os pró-vida um motivo de grande tristeza e de rigoroso exame de consciência. De facto, mal se entende que num país onde a Igreja tem tanto peso, os seus membros, em especial, – embora não só estes, uma vez que esta questão é de lei natural e não meramente confessional -, não estejam devidamente formados e/ou catequizados em matéria de tanta importância quer para a virtude da castidade, quer para a estabilidade familiar, quer para a saúde das mulheres, quer para a defesa da vida, quer para a própria salvação. A censura sistemática da encíclica Humanae Vitae e mesmo o dissentimento obstinado da sua doutrina (que, importa recordar, é definitiva e imutável – cf. Conselho Pontifício da Família, Vademecum para os confessores sobre alguns temas de moral conjugal, 12.II. 1997, n. II.4) feito ensino nalguns sectores da UCP e aconselhamento nas pregações, e em outras circunstâncias, devem contar-se entre os principais responsáveis por esta situação catastrófica.
Recorde-se, a propósito, que Malcolm Potts, ex-director médico da IPPF, afirmou: “A prática do aborto e da contracepção estão intrinsecamente relacionadas entre si” (Malcolm Potts, Peter Diggory y John Peel, Abortion, Cambridge University Press, London, 1970), “à medida que as pessoas se virarem para a contracepção, dar-se-á uma subida, não uma descida, na percentagem de abortos” (Report, Cambrige Evening News, 7 February 1973. Cit. in Valerie Riches - Foreword by Professor Sir Bryan Thwaites, MA, PhD, Sex and Social Engineering, Family and Youth Concern (The Responsible Society), 1986).
Também Judith Bury, médica abortófila e investigadora dos Brook Advisory Centres, confirma-o: “Há uma evidência esmagadora que, contrariamente ao que se podia esperar, a disponibilidade da contracepção leva a um aumento da percentagem de abortos” (Judith Bury, Sex Education for Bureaucrats, The Scotsman, 29 June 1981).
Declarações deste tipo são frequentes entre os membros desta organização e entre os seus cúmplices. Pelo que se torna evidente que quando incitam ao uso da contracepção eles sabem que estão a promover o aborto: Pierre Simon (médico obstreta, co-fundador e vice-presidente do Movimento francês para o planeamento familiar, colaborador de Simon Veil no Ministério da saúde, por duas vezes Grão-Mestre da Grande Loja - maçónica - de França) que esteve na dianteira do combate pela legalização da contracepção e do aborto, recordando a sua luta, escreveu: «Atacar a lei [que proibia a contracepção] na sua totalidade significava liberalizar o aborto. ... [A] opinião [pública], no entanto, não estava preparada para tal. Por isso, tivemos como nosso primeiro objectivo separar esta amálgama. Uma vez conseguido que a contracepção se tornasse normal e aceite pela lei, logo o aborto seria aceite. O futuro provou que tínhamos razão. A luta pela contracepção duraria mais e seria mais difícil do que a luta pelo aborto. Mudando o famoso provérbio: Nós tínhamos ganho a guerra [legalizando e promovendo a contracepção], só faltava travar a última batalha [legalizar o aborto]» (Pierre Simon, De la vie avant toutes choses, Ed. Mazarine 1979). De facto, em Dezembro de 1967, 9 meses antes da encíclica Humanae Vitae, do Papa Paulo VI, foi aprovada a lei que autorizava a venda e a publicidade dos contraceptivos e, logo, em 1975 a lei Veil legalizou o aborto. Em 1983 o aborto passou a ser pago pela Segurança Social, isto é, por todos os cidadãos que pagam impostos. Ninguém escapa, pois, à participação no aborto, uma vez que todos o financiam.
Consciente da gravidade da situação Mons. Philippe Barbarin, Bispo de Moulins, declarou recentemente (31. 10. 2001): “ ... alguns Bispos de França ... interroga[mo-nos] sobre a nossa atitude por volta de 1975, quando foi discutida e aprovada na França a lei que liberalizou o aborto. Pode ser que cheguemos a fazer uma confissão pública, pedindo perdão publicamente pela nossa pusilanimidade, pela nossa cobardia, no momento da discussão desta lei criminosa” (Michel Schooyans, Terrorismo e Globalização, 29. 01. 2002).
Será ainda preciso recordar que grande número dos contraceptivos actuais têm ou podem ter um efeito abortivo precoce (desde a pílula normal ao DIU e à pílula do dia seguinte, eufemisticamente chamada contracepção de emergência) e que a grande maioria dos homicídios/abortos não são cirúrgicos mas são causados química e precocemente?
Verificamos mais uma vez, com amargura, que os católicos em Portugal (e demais pessoas de boa-vontade), geralmente falando, ainda não tomaram consciência da gravidade da situação e das medidas excepcionais de organização e de combate que a circunstância merece. Mesmo dentro da Igreja, entendida como conjunto dos fiéis, há um número significativo de pessoas, em lugares de alguma responsabilidade, seriamente contaminadas pela mentalidade contraceptiva e abortiva.
Esfregar-se ou abusar de crianças, adolescentes e jovens é um crime repugnante, detestável e muito grave, mas ainda mais grave, abominável e tenebroso é esquartejar ou matar crianças no seio materno. Se a sociedade e o Estado se levantam unânimes e justamente indignados para combater o primeiro crime, porque é que se organizam para realizar o segundo? (Para as ligações da IPPF à defesa da pedofilia e do incesto ver Robert G. Marshall and Charles A. Donovan, Blessed Are The Barren –The Social Policy of Planned Parenthood, Ignatius Press, San Francisco 1991 e Brian Clowes, Pro-Life Activist's Encyclopedia, Stafford, Virginia: American Life League, Inc., 1993).
Nuno Serras Pereira
16. 05. 2002

11 Comentários:

Anonymous miguel escreveu...

que pérola, meus senhores, que pérola!
podem fechar o blog, porque mais e melhor do que este padre, assumam: é impossível!

abortófilos, assassinos, maçons, promotores da contracepção, pedófilos!...

digam-me uma coisa, concordam com que partes? o manuel concorda com tudo, por certo. e o resto dos escreventes?
também acham que a politica da contracepção e contra a castidade leva á perdição e afasta da salvação?

que vida sexual é a vossa? e das vossas pobres e insatisfeitas mulheres?

sois risíveis e sem sentido do ridiculo, porque nada vos obrigaria a vincularem-se a tão lamentável, retrograda, fundamentalista, quadrada e anacronica prosa, como esta.

11/03/2006 01:22:00 da manhã  
Anonymous Anti-Facho escreveu...

O miguel nao fiques tao revoltado lembra-te que estas a lidar com pessoal que nao acredita mesmo nisto que defende, uns apenas andam nisto porque e bonito ser de extrema direita, ser um caozinho de combate de cabeca rapada, a sua preocupacao pela vida acaba quando andam em bandos (repito BANDOS) e se cruzam com um individuo negro ou imigrante.

Os outros acreditam sinceramente na coisa mas vivem na idade media na altura em que tinhamos que gramar com um gajo a liderar a nossa nacao apenas porque sim (aparte das suas competencias)...porque esse gajo tinha a sorte de ser o proximo rei...ainda nao perceberam que as unicas monarquias que ainda RESISTEM sao apenas para o povo aplaudir enquanto a caravana passa.

11/03/2006 08:37:00 da manhã  
Anonymous Anónimo escreveu...

«(Segue-se o artigo do Padre Nuno Serras Pereira que determinou a sua condenação em juízo).»

Este homem (Padre Serras Pereira) não precisa de ser julgado, coitado. Precisa, isso sim, de ser tratado numa boa clínica.
Não é digno de crítica. É digno de pena.

11/03/2006 09:37:00 da manhã  
Anonymous anti-facho escreveu...

"Esfregar-se ou abusar de crianças, adolescentes e jovens é um crime repugnante, detestável e muito grave"

Então porque será que a igreja católica continua a branquear casos em que isto acontece como os que volta não volta estão a vir a baila?

faças o que eu digo não faças o que eu faço?

11/03/2006 10:17:00 da manhã  
Anonymous mr. x escreveu...

Este texto é antológico, pela sua pureza, pela convicção que revela, pelo estrito respeito pela doutrina católica.
Que sirva de exemplo e reflexão, também, pela sua intolerância, violência extrema, desfasamento da realidade, "defesa selectiva da vida", relativismo moral, enfim, por tudo aquilo que diz e insinua.
A Igreja Católica em todo o seu esplendor medieval, e um tiro no pé que os defensores do "Sim" agradecem.
Pode este blog fechar, se assim quiserem os seus autores, porque este é o Texto Definitivo, o Supremo Resumo.
É com sinceridade que elogio a fidelidade do articulado e, repito, a sua Pureza Doutrinária. E é com alegria que o vejo divulgado, mais uma vez, para que se saiba, para que se conheçam os escrúpulos e a ética dos "defensores da vida". Toda a hipocrisia, mesquinhez e, repito, Pureza Redutora.
Como defensor da despenalização e da dignidade das Mulheres, eu agradeço a existência desta pérola de argumentação e respeito pelos princípios.
Assim sim, sabemos com quem lidamos e com o que podemos contar.
Bem hajam por contribuirem para a despenalização da IVG!

11/03/2006 10:17:00 da manhã  
Anonymous Anónimo escreveu...

Estou já a tratar de iniciar uma campanha online - com abaixo-assinado e tudo - subordinada ao tema «Uma coluna de jornal diária para o Padre Serras Pereira, já!». Este homem tem de ter uma plataforma nacional. Há muito que não me divertia tanto a ler um texto; os desabafos do César das Neves, ao pé disto, até parecem coisas sensatas.
O pessoal aqui do blogue, por acaso não tem mais textos dele, não? Por favor, partilhem com a malta.

11/03/2006 11:12:00 da manhã  
Anonymous Anónimo escreveu...

Não há textos do Padre Lereno?
A santíssima trindade medieval: Serras, Lereno e Das Neves.
Isto, se não fosse grave, era para rir.
O problema é que esta gente não é personagem de ficção...
Esta gente existe!

11/03/2006 11:19:00 da manhã  
Blogger Wuthering Heights escreveu...

Ridiculos sois vocês. Comunas de um raio. Deviam ter nascido na União Soviética, para se deixarem dessas atitudes estalistas. Respeitem as convicções dos outros. Caro anti-facho, lembro-lhe o que Churchill disse, "os fascistas do futuro chamar-se-ão a eles mesmos anti-facistas". Acorde para a vida, e se esta frustrado por não conseguir acreditar em nada, por viver uma vida de "anti-qualquer coisa", não descarregue a sua frustração para quem consegue.

"Tu acreditaste porque viste. Felizes dos que acreditam sem ver."

11/03/2006 09:42:00 da tarde  
Anonymous anti-facho escreveu...

"Acorde para a vida, e se esta frustrado por não conseguir acreditar em nada, por viver uma vida de "anti-qualquer coisa", não descarregue a sua frustração para quem consegue."

Agradeco as suas palavras de preocupacao para com a orientacao da minha vida. Digo-lhe no entanto que me encontro bem orientado e nao necessito de descarregar frustacao nenhuma.

Como ja aqui disse a minha revolta (e dai o nome anti-facho) e com gente (que se AUTO-intitula fascista) que usa esta questao com uma mera visao instrumentalista.

Vou deixar aqui bem claro mais uma vez que visao maniqueista da esquerda vs direita ha muito que ja nao me aflige, por isso chamar-me de comunista e no minimo ridiculo.

Agora nao conte com a minha tolerancia para com pessoas que nao defedem a liberdade e o direitos humanos.

11/04/2006 01:25:00 da manhã  
Anonymous Anónimo escreveu...

"os fascistas do futuro chamar-se-ão a eles mesmos anti-facistas".

Churchill aqui referia-se ao perigo de paises antes liderados por regimes fascistas passarem a ser liderados por regimes comunistas como o PCP tentou fazer durante o PREC. substituicao de um regime totalitarista por outro.

11/04/2006 01:32:00 da manhã  
Anonymous Anónimo escreveu...

este blog só prova o quanto o aborto fez e faz falta em Portugal. Nalguns casos devia ser mesmo obrigatório.
Se não fosse "pecado" Sr Nuno Serras Pereira, aconselhava-o vivamente a suicidar-se.

11/09/2006 11:54:00 da tarde  

Enviar um comentário

<< Entrada