quinta-feira, outubro 26, 2006

A Tríade

Os adeptos da descriminalização do aborto vêm empreendendo uma ofensiva em três frentes, confessada, de resto, pelos seus mais mediatizados expoentes, com meses de antecedência. Assim, numa Quadratura do Círculo, Pacheco Pereira comentou o resultado do referendo anterior, dizendo que «a Igreja ganhou, quando falou em Vida». Desconte-se a redução do adversário ao Mundo Católico, tentativa subtil de fazer com que todos os que não concordam com a medida proposta se sintam desconfortáveis em Tal Companhia. O que sobra é a tentativa de armar como ficção a concessão do estatuto vital ao ser que repousa no ventre materno. Mas não respira? Mas não se alimenta? Mas não cresce? Mas investigações recentes não comprovam a acção de elementos exteriores, como a música, sobre o cérebro do ente em formação? Que mais é preciso para haver vida? Se esta se resume à consciência da exterioridade, acautelemo-nos, que quando estivéssemos a dormir seria perfeitamente defensável pelo raciocínio dessa gente o abreviar dos nossos dias.
Vem depois o Sr. Daniel Oliveira dizer que as imagens de fetos vítimas de abortos que os militantes do "não" publicaram na anterior campanha «são pornográficas». Porquê? A pornografia entristece pela redução de um ser humano, sem arte, à exibição dos genitais. Ou seja, por falsear a verdade, já que uma pessoa é sempre mais do que isso. Onde está a falsidade das imagens reveladas? Alguém as arguiu de falsas? Nem por sombras. Donde se conclui que para Daniel Oliveira a semelhança delas com a pornografia é serem incómodas onde esta é incomodativa. Mas ninguém é obrigado a mentir para agradar ao Sr. Daniel Oliveira.
Vem por fim o Sr. Francisco Louçã bater na tecla da hipocrisia e puxar ao choradinho a respeito das mulheres que são julgadas por abortos. Numa abordagem a anónimos cidadãos não-empenhados nesta luta chegou a roçar a intimidação, ao agressivamente perguntar a um Cavalheiro se queria ver mulheres presas por praticarem abortos. Ao que o Interpelado respondeu, com grande coragem e lógica, que achava que as pessoas que cometem um crime devem ser castigadas. Qual é a hipocrisia que há? Concordo que exista quando a um crime não corresponda a aplicação da pena prevista. Mas a situação resolve-se aplicando-a efectivamente, não legalizando a conduta. Como não é por haver muitos infanticídios ou assassínios de adultos que, por enquanto, se defende a descriminalização desses actos. E não se venha com a tese do drama da gravidez não desejada ou das difíceis condições. A responsabilidade começa no momento da concepção e muitos outros assassinos cometem as suas malfeitorias para melhorar a respectiva vida. Como dos três, porém, é o que tem mais jeito para falar às pessoas, consegue transferir a pena de muitos para quem decide retalhar um inocente que não teve hipótese de escolha, em vez de a concentrarem nesse desgraçado que tem prometida a fossa. E como o sentimento se espalha, leaders políticos há que tentam não perder uns votitos, defendendo um outro aborto, sem drama mas com ridículo - o de um crime sem pena.
Três tentativas para jogar com a verdade, substituindo-a pela falácia conveniente. Em nenhum caso os factos que enunciei se estribaram em argumentos religiosos, mas na mais elementar esfera da decência. Porque se percebo que o estado laico que temos se esteja nas tintas para o que eu creio ser a Verdade, não lhe admito que abdique de se submeter à verdade, como querem estes repugnantes e programáticos falseadores dela.

3 Comentários:

Blogger Rouxinol escreveu...

" Onde está a falsidade das imagens reveladas?"

Anda uns posts abaixo para veres. Ao menos metam embriãos com 10 semanas.

"Porque se percebo que o estado laico que temos se esteja nas tintas para o que eu creio ser a Verdade"

está o estado laico e estou eu. Aplicas a tua moral na tua vida, não impedes os outros de agir de acordo com a sua consciência.
preferes uma gravidez indesejada à morte de um embrião, é a tua opinião, não é a minha.

10/26/2006 09:34:00 da tarde  
Blogger Rouxinol escreveu...

Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

10/26/2006 09:34:00 da tarde  
Blogger Paulo Cunha Porto escreveu...

Rouxinol:
Com certeza, como assino estou aqui para dar as minhas opiniões e não as tuas... ou assinaria Rouxinol. Mas não são meros bitaites, referem-se a uma vida sem culpa que é cortada, o que não há canto de passarinho que mude.

A questão das semanas - e a partir das 10 bchamam-lhe feto - não foi a tónica da contestação do DN, mas sim o tipo de reacção suscitada em quem vê. Espero então que as imagens de embriões de nove semanas e meia trucidados mereçam o epíteto de eticamente impecáveis, quer do autor da contestação, quer do Amigo Rouxinol.

10/27/2006 08:55:00 da manhã  

Enviar um comentário

<< Entrada