terça-feira, janeiro 30, 2007

Chico Esperto!...

Desde de Outubro que tenho visto todo o tipo de opiniões acerca do referendo do aborto. Porque sim e porque não, comentadores e colunistas se têm degladiado, assim com a direita e a esquerda políticamente falando.

Participo no blogue Pela Vida. Com muito orgulho e com o sentido de que estou a lutar pelo que acho que é certo. Alguns bloggers amigos mostraram-se surpreendidos por eu ser a favor da vida, antiquado para um jovem de 22 anos segundo eles, honrado por poder integrar a equipa do Pela Vida a convite do amigo Vítor, sendo eu talvez o benjamim da equipa.

Sou contra o aborto porque sou Pela Vida! Porque tenho familiares que podiam dar uma boa e feliz vida aos seus rebentos e por variadas vezes assim não sucedeu. Este mês, faleceu na minha família um anjinho com 20 dias... Sou Pela Vida porque ninguém tem direito de decidir acerca de uma outra vida! Porque não há direito de arrancar tão abruptamente algo de tão maravilhoso como a Vida. Eu adoro viver, vocês não?!?! Queriam ser arrancados do ventre da vossa mãe aos bocados?!?!

Sou Pela Vida porque nós, contribuintes, e principalmente o feto não têm que pagar pelos erros dos jovens! Eu sou jovem e protego-me. Há milhares de jovens portugueses que não o fazem porque acham piada ao risco. Eu não acho piada ao risco, prejudicar o meu futuro e da minha namorada assim como um contribuinte de Melgaço pagar um possível aborto!

Parece também que Fernando Madaíl escreveu no Diário de Notícias (até tinha este jornal em boa conta, e mais uma vez repito, tinha...) um artigo intitulado "Fascistas em rede entram na campanha". Parece que o Madaíl, ao ver o nosso blogue, ficou mais preocupado quando descobriu as conotações políticas de cada um, assim como também patenteou a sua preocupação por alguns elementos do Pela Vida defenderem Salazar aquando do (pseudo)concurso "Grandes Portugueses". O amigo Madaíl (não confundir com o Presidente da FPF) ofereceu-se ainda para dar uma aula de história (ó homem vá para o Canal História), fazendo alusões aos regimes fascistas espanhol, italiano e alemão, assim como algumas referências à suposta concordância com o regime iraniano, à negação do holocausto, ao nacionalismo sérvio, à extrema-direita belga e até veja-se, Le Pen...

Que sorte meu caro Madaíl termos alguém tão capaz, perspicaz e inteligente como o Sr. Madaíl. Não é por uma pessoa defender um tipo de regime, partido político, religião que não pode ser tão íntegro como o Sr. Madaíl! E tem mais, em democracia cada um pode expressar a opinião que quer, do modo que quiser e acerca do que quiser. Quem ouve se está de acordo, óptimo, se não está, bom remédio, vai se embora! Ora eu vivo num país democrático, em que eu, qualquer dos membros do Pela Vida, o Sr. Madaíl, qualquer cidadão português na plenitude dos seus direitos pode expressar a sua opinião como bem entender desde que não lance a calúnia sobre outro. Democracia meu caro Madaíl, é saber respeitar as escolhas dos outros sem preconceitos e etiquetas, do género aquele tipo é fascista porque achou que a lista dos 10 melhores portugueses de sempre é uma fantochada, porque defende Salazar e porque é anti-aborto?!?! Eu sou fascista Sr. Madaíl?!?!

Não, eu sou Monarquico. Causa-me estranheza a lista dos 10 melhores portugueses de sempre, por mim dos 10 que lá estão só um ou dois é que lá ficavam e sou Pela Vida. Agora parece-me que o Sr. Madaíl é preconceituoso. Estilizar as coisas como fez e do modo que o fez não me parece correcto. Assim como não me parece correcto que numa democracia as pessoas possam ter opiniões diferentes da sua. Assim como não me parece correcto não tenha atribuído os devidos créditos ao Humberto pela imagem que veio publicada junto do seu artigo (ao menos no próximo artigo faça um pequeno post-scriptum e assuma o erro).

Há um ano, fui apanhado numa encruzilhada política em Vila Viçosa e usei esta frase, agora vou usá-la novamente, só para si amigo Madaíl:

"A crítica é fácil, a arte difícil" (retirado do sítio Citador).

Chico Esperto...

14 Comentários:

Blogger Vitório Rosário Cardoso escreveu...

É BEM!

1/30/2007 01:03:00 da manhã  
Anonymous Sofia escreveu...

Tenho curiosidade. Diz-me, jovem que se protege, ao contrário de milhares de jovens portugueses que não o fazem porque acham piada ao risco (eu não conheço milhares de jovens, mas também não sou muito social...). Tu que não achas piada ao risco, prejudicar o teu futuro e da tua namorada assim como um contribuinte de Melgaço pagar um possível aborto! Explica-me o que fazes se um dia o preservativo falhar (1% hipóteses), ou a pílula (1% de hipóteses, não contando com trapalhadas com medicamentos), ou ambos em conjunto (0.01%). Tiveste cuidado, foste responsável. Mas os números e as probabilidades são tramados. A alguém tem de sair a rifa. E se fores tu?

Tem cuidado com acusações e descriminações. És muito novo para achares que sabes tudo. Tolerância e humildade são belíssimas qualidades.

1/30/2007 02:22:00 da manhã  
Blogger Rui escreveu...

Sim, exacto sr. Restaurador (vá-se lá saber o que restaura..), defender Salazar é defender o fascismo!! Esperemos que essa vergonha nunca mais volte ao nosso pais nem a nenhum do mundo.

1/30/2007 04:37:00 da manhã  
Blogger O Restaurador escreveu...

Sofia, nunca vi ninguém que use todas as precauções sair-lhe a sorte grande na rifa que fala. Relembro-lhe que tudo o que eu escrevo, que tudo o que eu falo é com base nas minhas convicções e na minha experiência pessoal.

Rui, nunca me viu defender o fascismo ou república. Pode consultar os registo do Restaurador da Independência ou da Taberna dos Inconformados por exemplo, e verá que sou Monárquico e é o regime que tenho defendido várias vezes. Contudo, penso que num regime democrático como o que vivemos cada um deve expressar a sua opinião pessoal, o Rui, eu e qualquer pessoa podemos concordar ou não, é tão simples quanto isso.
Ou então agora por eu ser Monárquico também faz de mim uma má pessoa?!?! É tudo farinha do mesmo saco?!?!

Saudações!

1/30/2007 08:26:00 da manhã  
Anonymous Luis escreveu...

Não diria propriamente má pessoa...

1/30/2007 09:37:00 da manhã  
Anonymous Anónimo escreveu...

Quanto ódio e quanta ingenuidade...
Este "restaurador" é aquilo a que se costuma chamar um "idiota útil".
A extrema-direita sempre vai recrutando um aqui, outro ali...

1/30/2007 09:44:00 da manhã  
Blogger O Restaurador escreveu...

Anónimo, se quer ter alguma credibilidade, identifique-se, como fazem as outras pessoas!...

Não queira ser mais um "inutil puritano" na nossa praça, eu até sou apartidário veja lá...

1/30/2007 10:55:00 da manhã  
Blogger Vitório Rosário Cardoso escreveu...

Está visto, o "Sim" está a ter desde já um comportamento igual ao da natureza selvagem, ou seja comportamento básico e primário, e por isso benéfico para o "Não".
Isto é, tal como nos toiros, o forcado só será bem sucedido se citar o toiro, carregar e então fazê-lo arrancar para investir em vez de ser o toiro a arrancar por iniciativa própria. O mesmo está o "Não" a fazer, em que temos estado a dominar nos argumentos e mobilização e por isso o "Sim" arrancou desvairado para atacar o "Não" a torto e a direito, inclusivé utilizando os velhos chavões, da "brigada do reumático", dos "fascistas", dos "neo-nazis", e foi assim que João Soares PERDEU a Câmara Municipal de Lisboa para o "fascista" do Santana Lopes.
Estamos no bom caminho, agora para "pegarmos" o "Sim" pela "córnea", temos apenas de continuar a fazer o que até aqui fizémos, esclarecer e bater à porta de todos os vizinhos de prédio e de bairro e de todos que conhecemos para esclarecer e desmascarar a redondilha do "SIM".
Dediquemos esta "pega" à Vida!

Saudações,

1/30/2007 11:27:00 da manhã  
Anonymous Sofia escreveu...

Restaurador, nunca a rifa saíu a ninguém que conheças e que tome todas as precauções? É natural, o mesmo se passa comigo. Por outro lado, uma pessoa normal fala sobre este tipo de assuntos com 10, 20 pessoas no máximo. Eu que sou rapariga não costumo discutir no café com as minhas amigas que precauções tomam. Talvez com as 4 ou 5 mais próximas, sim.

Mas vou assumir que és uma pessoa muito especial que tem 100 amigos próximos com quem fala sobre tudo, incluindo a panóplia de métodos contraceptivos que usam. Probabilisticamente, é bastante possível que nunca lhes tenha acontecido nenhum azar. Aliás, as probabilidades mais "azarentas" eram 0.01%. No entanto, estás a julgar todos, a decidir por um universo de pessoas que não conheces, que não compreendes porque as tuas reduzidas experiências pessoais não o permitem, com base nessas convicções. Daí o meu conselho de ontem: modera as tuas convicções e não presumas saber tudo. Ninguém sabe.

1/30/2007 06:29:00 da tarde  
Blogger O Restaurador escreveu...

Aí é que está Sofia, ninguém sabe... Posso estar errado, mas muito boa gente (e com não me refiro a ti) que julga que o feto não sofre, que não sente o que lhe está acontecer. Será que sente, será que não?!?! Ninguém sabe minha cara...

1/30/2007 08:31:00 da tarde  
Anonymous Luis escreveu...

Não sente (e não vale a pena entrarmos num debate sobre desenvolvimento neuronal) mas mesmo que sentisse, de certeza que qualquer mulher que faça um aborto nos dias de hoje (até dia 11, esperemos), sente muito mais com todas as complicações que possam surgir, sejam elas do foro psicológico, clínico ou mesmo judicial...

1/31/2007 08:28:00 da manhã  
Blogger O Restaurador escreveu...

Tem a certeza que não sente?!?!

Em relação a quem sente mais, a mulher escolhe, o feto não...

1/31/2007 10:12:00 da manhã  
Anonymous Anónimo escreveu...

Quando há dúvidas sobre se uma determinada pessoa praticou ou não um crime o que é que se faz? Absolve-se não é? E porquê? Porque é menos grave absolver um culpado do que condenar um inocente.
Se não sabem se sente ou se não sente, porque é que não decidem a favor da vida daquele que discutimos neste referendo?

2/01/2007 10:21:00 da manhã  
Anonymous Cristal escreveu...

O feto não sente!... Que afirmação gratuita e falsa!...
Ontem pude ver um vídeo em que um ex-director de uma clínica de abortos dos Estados Unidos explicava a forma de realizar um aborto por sucção, explicação essa acompanhada pelas imagens de toda a "operação" com recurso às novas técnicas com utilização de ultra-sons. E o que se vê? O bébé a aumentar as pulsações de 140 para 240 por minuto a partir do momento em que sente a sonda a tentar - só a tentar! - perfurar o saco, e a desviar-se dela cada vez com mais agitação de um lado para o outro do útero! O médico e o anestesista que participaram nesse aborto - e o médico já teria feito mais de 10 000 abortos! - pura e simplesmente puseram termo às suas intervenções em práticas abortivas depois de terem visuslizado a gravação!...
Como é que há coragem hoje de dizer gratuitamente que o "feto" ou "bébé" não sofre?
Na polémica sobre o aborto estão subjacentes o DIREITO à VIDA, por um lado, e o exercício do LIVRE ARBÍTRIO, por outro.
O primeiro é um direito primordial de todo o ser humano, o segundo constitui mera POSSIBILIDADE de agir de um ou de outro modo segundo a opção da consciência ou da vontade de cada um.
Ter liberdade de fazer ou não fazer uma coisa não constitui um direito mas apenas uma escolha. Daí o resultado negativo de tantas opções menos felizes que a sociedade e o direito constituído condenam.
O aborto será, neste contexto, o resultado de uma opção mas não constitui nunca um direito.
Na presente discussão só há um direito que é o direito à Vida por parte do bébé ainda não nascido. As opções da mulher em agir de uma ou outra forma constituem mera possibilidade mas nunca um direito.
Tudo o resto são consequências da opção tomada que podem ter reflexo negativo na vida e na saúde da mãe, e que é preciso acautelar o mais possível mas NUNCA COM SACRIFÍCIO DO BEM PRIMORDIAL QUE É O DIREITO À VIDA POR PARTE DO BÉBÉ, que já é um ser humano embora sujeito a limitações em razão da sua dependência da procriadora.
Porque o assunto é muito sério não podemos deixar-nos enredar em simpatias clubístas ou meramente ideológicas.
Para mim a VIDA está acima de tudo e é por isso que voto NÃO e apelo a que o façam também no próximo dia 11.

2/01/2007 11:34:00 da manhã  

Enviar um comentário

<< Entrada