domingo, janeiro 14, 2007

15 movimentos pelo "Não"

Os 15 movimentos contra a despenalização da interrupção voluntária da gravidez fizeram um «apelo nacional» à consciencialização dos portugueses para o que está em causa no referendo: o «direito ao aborto, sem limites, nem condições».
Num encontro nacional que juntou em Lisboa representantes dos 15 movimentos, os grupos cívicos recordaram que o aborto já é permitido em algumas situações, como o perigo de risco de vida para a mãe ou malformação do feto.
«Estas situações previstas na lei actual não estão em causa neste referendo, uma vez que se manterão inalteradas qualquer que seja o resultado da consulta popular», é referido numa declaração conjunta dos 15 movimentos, lida por Carmo Neves, do grupo «Liberalização do aborto? Não!».
O que «verdadeiramente» está em causa no referendo, continuou Carmo Neves, «é a possibilidade de abortar livremente até às 10 semanas apenas e só porque não se que ter o filho. É a este direito ao aborto, sem limites nem condições, que os portugueses são chamados a dizer "sim" ou "não" neste referendo».
Na declaração conjunta, os movimentos prometem que irão desenvolver uma campanha «moderada, informativa e de proximidade», centrada na identificação das consequência negativas da «liberalização» do aborto, nomeadamente o desvio de recursos do Serviço Nacional de Saúde em detrimento da prevenção e tratamento de doenças como o cancro e as doenças cardiovasculares.

2 Comentários:

Blogger Zeca Paleca escreveu...

Podem fazer os MOVIMENTOS que quiserem.

Eu já tenho o meu movimento
VOTO
SIM
E bem...

Peço desculpa, mas tem de ser.

1/15/2007 01:04:00 da tarde  
Anonymous Anónimo escreveu...

É, seguramente, mais uma abortadeira...

1/16/2007 06:02:00 da manhã  

Enviar um comentário

<< Entrada