domingo, fevereiro 04, 2007

Pela Vida (último)

Texto publicado em simultâneo aqui e no Blog do Zig.

Esta é a minha última intervenção sobre este tema. No fim-de-semana passado não escrevi sobre este assunto por ter tido problemas informáticos, entretanto já resolvidos.

Nas últimas semanas, e principalmente naquela que agora passou, se tem escrito e falado bastante sobre este tema, o da despenalização, ou não, do aborto. Até já foi criado uma sigla, não sei bem por quem! Chamam-na IVG, certamente para não terem de pronunciar tantas vezes a frase já gasta, a de interrupção voluntária da gravidez! Dizendo essa sigla, até parece que dão um ar mais “chique” à coisa, do tipo MIT, ou então, do IVA, esse, pois, mais doloroso.

Compro regularmente dois semanários editados em Beja, o Correio Alentejo e o Diário (sem o ser...) do Alentejo. Fiquei estupefacto em verificar que nas duas últimas edições dos dois jornais não há uma única notícia sobre uma campanha do Não ao referendo. Ou não há campanhas em Beja e arredores em favor do Não, ou então, não sei! O Sim está espalhado por todas as páginas, até já parece um “must”. Mas eu, caros leitores, digo decididamente que NÃO! Já expliquei as minhas razões nos textos com o tema “Pela Vida”, não vale a pena de as repetir.

Os partidos, pois, esses! Há panfletos coloridos com a palavra sim a voar pela cidade, até fizeram colagens em caixas da EDP, e não só! Cá para mim, pensava que essas colagens seriam proibidas, enfim! É um voltar, pelo menos nesta questão, ao 3º mundo....

Mas os defensores do Sim estão com um grande dilema. O PS já fez saber que se o Sim ganhar é uma vitória deles. Logo, há muitos defensores desse lado que não são desse partido, em quê é que eles vão ficar? Vão festejar gritando PS, PS?

Penso que a pergunta do próximo Domingo está mal feita. Em vez de despenalização do aborto deveria dizer desresponsabilização do governo, não só desse, mas de todos os que antecederam o actual! Vejamos. Tenho a certeza que muitas grávidas, talvez até a maioria, só aborta porque não têm condições económicas para criar uma criança. Se os governos já tivessem criado leis que apoiam as mães dos recém-nascidos, toda essa discussão actual talvez não tivesse lugar. Lembro-me bem do tempo em que o aborto foi discutido na Alemanha. Foi o famoso parágrafo 218 que estava em questão. A lei foi alterada, o aborto ficou mais liberal. Ao mesmo tempo foram criados muito maiores incentivos para as mães, para além de maior apoio financeiro (Kindergeld), as mães podem ficar em casa até 3 (!) anos após o nascimento da criança e não só os vergonhosos 4 meses como acontece em Portugal. Se o Sim ganhar, será que esse governo vai dar mais apoios às mães? Creio que não. Mas vamos ter fé, esperamos que o Não ganhe!

Mas a maior questão que está nesse referendo é mesmo se vai ser despenalizado o aborto ou se vai ser liberalizado. É a questão crucial principalmente para os indecisos. Tenho falado com alguns que confirmam essa minha opinião. É que, no fim das contas, se o aborto for despenalizado é a mesma coisa que se ele for liberalizado. Mais uma razão para votar Não, para dar uma hipótese a esse grãozinho de vida que está a crescer no útero da futura mãe!

Bem, com tantos blogues que há na cidade de Beja, aparentemente sou mesmo o único que tem um blog que defende o Não. Passeando pela cidade, falando com amigos, fica-se com a ideia que os defensores do Não dizem essa palavra em voz muito baixinha, até parece que têm medo de o dizer em voz alta! Mas eu não tenho medo, digo com toda a convicção: NÃO ao aborto!!!

5 Comentários:

Anonymous Anónimo escreveu...

Era difícil escrever um arrazoado de asneiras num espaço tão curto.
mas você conseguiu, parabéns!
Em que planeta vive?

2/04/2007 10:27:00 da tarde  
Anonymous David Sanguinetti escreveu...

Caro anónimo,

«Em que planeta vive?»

No meu. E no dos autores deste blog. E no daqueles que acham que a pergunta, formulada desta maneira, só pode levar um chumbo.

Não somos assim tão poucos. E cada vez mais.

Atrevo-me até a dizer que vivemos num planeta que coloca na linha da frente o apoio psicológico e material à mulher grávida, para seguir em diante com a sua gravidez, e trazer para este planeta o seu filho.

É um planeta agradável de habitar.

Quando pretender, pode-se juntar.
Não o discriminamos nem pela idade, nem pela raça, nem pelo sexo, nem pelo tempo de vida.

Melhores Cumprimentos,
David Sanguinetti

2/04/2007 11:09:00 da tarde  
Anonymous Anónimo escreveu...

Parece que Marcelo Rebelo de Sousa é o autor moral do referendo-segundo declarações feitas pelo próprio.Parece-me a pergunta clara.No entanto o Planeta a que se refere é desconhecido, não passa de um mito.Porque quer seja legal ou não fazem-se abortos e muitos milhares por ano.É um facto conhecido de toda a sociedade- e de si também, com certeza!Quantas mães ajudou e convenceu a não abortar? Quantas crianças ajudou a trazer para esse seu planeta? O problema do aborto em Portugal, discute-se de 10 em 10 anos! Daqui a 15 dias todos estaremos esquecidos, e como sempre lavaremos as mãos como Pilatos!Antes do 25 de Abril não havia referência qq `a protecção da vida intra uterina. Talvez por isso haja poucas penas e tribunais para mulheres que abortam - é um hábito ancestral!Com ou sem legislação ,o panorama não se vai alterar sem o contributo de todos.A Campanha não passa de um bom motivo para destilarmos odio, veneno, -direita /esquerda; ateus/católicos;monárquicos /républicanos e provavelmente todos em uníssono batermos no governo, a coberto da defesa da vida das mães ou filhos!!!!Tudo o resto são
tretas! Quem quer saber das crianças vivas que passam fome, sofrem ou andam abandonadas.Nesse seu planeta, não existem porque nos incomodam!!!

2/04/2007 11:53:00 da tarde  
Anonymous David Sanguinetti escreveu...

Caro amigo,

"Planeta" é apenas um termo metafórico simbolizador de uma sociedade mais humana, onde o Estado zela pelo melhor interesse comum.

O aborto faz-se e sempre se fez. E depois? Se me permite, arrumo o aborto na gaveta da pedofilia, droga, incesto, prostituição e outros tipos de corrupção humana.

Será legalizar a prática do aborto, permitindo que este seja feito em hospitais públicos, que vai resolver os problemas?

A História ensina-nos que a solução mais fácil para os "impecilhos" sempre foi matá-los. No mínimo, cruel.
Neste momento, é essa a solução que o Estado apresenta às mães que não têm condições para terem os seus filhos.

Eis outro motivo, pelo qual eu digo "não".


Melhores Cumprimentos,
David Sanguinetti

2/05/2007 01:33:00 da manhã  
Blogger Zig escreveu...

Estranhos anonimatos, mas porque será?

2/05/2007 07:20:00 da tarde  

Enviar um comentário

<< Entrada