quinta-feira, janeiro 04, 2007

Revista de imprensa (II)

Augusto Cid elabora cartoon inédito para a Plataforma Não Obrigada:
Como forma de assinalar a sua associação pública à Plataforma Não Obrigada, Augusto Cid elaborou um cartoon inédito, que ofereceu ao movimento contra a despenalização do aborto e que o PÚBLICO publica em primeira mão na edição de hoje. Augusto Cid foi a última personalidade da área da cultura e do espectáculo a associar-se à Plataforma Não Obrigada, juntando-se a figuras como as escritoras Rita Ferro e Maria João Lopo de Carvalho, os cantores Ágata, Tó Zé Brito, Francisco Rebelo de Andrade e Nuno Aramac, o humorista João Canto e Castro, as actrizes Ana Brito e Cunha e Patrícia Brito e Cunha, o cavaleiro tauromáquico António Ribeiro Telles e os fadistas José da Câmara e Teresa Siqueira.

3 Comentários:

Anonymous mario_coluna escreveu...

um dia destes e a tua irmã ha-de chegar a casa violada por um toxicodependente e depois tens um irmão ou sobrinho que vais de cereza amar muito...tanto como a tua irma ha-de, a partir daì, amar a sua própria vida. quanto ao dinheiro, quem não quer que Emigre pa paìses aìnda mais atrasados(os que se adecuam a esses) que aì entao....não se paga nada.....mas também nao se tem nada, que é o que querem para todos. Abram-se um pouco e vão ver que não teem o direito de decidir a vida das outras pessoas, mas sim o dever de dar aos outros liberdade de escolha e nºao substimar os seus princípios e necessidades!...."já agora, vale a pena pensar nisto!"

1/04/2007 03:40:00 da tarde  
Anonymous Paulo Costa escreveu...

Caro Mário,

O aborto é permitido em casos de violação.Sabe disso? Ou faz parte da campanha de desinformação?

1/04/2007 09:56:00 da tarde  
Anonymous Beria escreveu...

Qual é a diferença entre o valor de uma vida concebida num acto em que ambos os parceiros consentem e o valor de uma vida concebida numa violação?

Este é um elemento essencial para se compreender a profunda hipocrisia em que estamos envolvidos.
Quem está pelo Não é incapaz de escapar a este problema: a actual lei não resolve qualquer problema, pelo contrário agrava-os, aquilo que está em cima da mesa é abrir mais uma excepção à lei existente, uma excepção que permita acabar com o fenómeno do aborto clandestino e o movimento pelo Não acaba em última análise por deender e criar um mercado para o aborto clandestino.

Defender uma lei que ninguém considera justa (ou pelo menos não o afirma abertamente)visto que ninguém está de acordo que mulheres sejam perseguidas judicialmente pela prática de aborto é uma profunda hipócrisia e revela uma total incapacidade de encontrar soluções.

1/05/2007 03:44:00 da tarde  

Enviar um comentário

<< Entrada