domingo, janeiro 28, 2007

Não

Estamos empenhados num combate que nos foi imposto. Não o pedimos, nem o desejámos. Se o confronto faz aparecer duas mobilizações como dois exércitos, em aguerrido frente a frente que divide o país e o distrai de tantos problemas a que urgia dar resposta, não se nos atire a culpa, porque não nos cabe.
Por nós, bem gostaríamos de ver o povo unido; mas é da essência deste tempo que ele se desuna e guerreie em batalhas que a ninguém trazem vitórias. E nunca ele esteve tão desunido como desde que começou a gritar que estava unido, e nunca ele sofreu tão amargas derrotas como desde que começou a gritar que nunca mais seria vencido.
É certo e verdadeiro o impulso de fugir, com o nojo na alma.
Todavia, há um sentimento de pertença e de fidelidade que nos obriga a ficar, seja qual for o juízo sobre a época e os homens.
Este é o nosso Povo, e esta a nossa Pátria. Que lhes fujam os que lhes são estrangeiros.
Não é a vitória ou a derrota o critério para decidir. Faz-se porque está certo.
Nunca fomos dos que viajam nesta vida de calculadora na mão, deitando o olhinho calculista ao que irão ganhar ou perder a cada opção do caminho.
Reivindicamos para nós só um grande direito: o de em cada momento cumprir o nosso dever. O por fazer que fique com Deus.
Nesta hora, sabemos de certeza firme que não faz sentido uma sociedade que gasta rios de dinheiro em campanhas a avisar que o tabaco mata e ao mesmo tempo se propõe gastar outro tanto a promover o aborto - que não mata!!!...
Não é possível compreender e aceitar um sistema jurídico que pune, v. g., a destruição de um ovo de perdiz (técnicamente um aborto, trata-se de interromper a gestação de um embrião), e a pune com pena de prisão, e seja qual for o tempo de gestação, enquanto se propõe permanecer indiferente à destruição de um embrião humano até às dez semanas do seu desenvolvimento, deixando isso completamente livre, à consciência de cada um... Como se a consciência de cada um fosse critério seja para o que for, como se remeter para a consciência de cada um não significasse equiparar a consciência do mais nobre dos homens com a do mais refinado dos canalhas e o pior dos assassinos.
Não. Um homem vale pela norma que segue. Temos que saber dizer não, e dizê-lo o mais longe e o mais alto que a nossa voz alcance, quando sabemos do mais fundo de nós que é essa a posição certa, que é essa a posição justa.
Arranquemos como veneno mortal aquele pudor brando de tomar partido que é indício fatal de corrupção das almas.
Não dizemos não por mesquinho gosto pela contradição, por instinto destrutivo ou culto pelo negativismo. Dizemos não em nome de uma afirmação mais alta, dizemos não para dizer sim ao que amamos, dizemos não porque estamos vivos e queremos viver.
E é da nossa vida que se trata.

1 Comentários:

Anonymous Jorge escreveu...

Morre faxo do caralho!

1/30/2007 01:33:00 da manhã  

Enviar um comentário

<< Entrada