sexta-feira, janeiro 12, 2007

A IMORALIDADE SOCIALISTA - PARTE II

O Governo português considera «a pena de morte contrária à dignidade do ser humano»
(Diário Digital 29-12-2006)

Tal como na edição anterior, volto a questionar o Governo português se considera o acto abortivo humanamente digno? [Atenção: desaconselhado a pessoas sensíveis]

Images da barbárie contra o feto e a repressão de apoiantes do "Não"


Vídeo em
Câmara dos Comuns

2 Comentários:

Anonymous Anónimo escreveu...

Mais imoralidade socialista:

Estranhamente, o acórdão 617/2006 do Tribunal Constitucional, que em Novembro passado verificou a constitucionalidade do referendo, começa por apresentar os projectos de lei que foram reprovados e ignora o 19/X/1 do partido socialista, que está subjacente ao referendo, aprovado em Abril de 2005.

Acontece que nesse projecto se propõe uma alteração ao Código Penal que contempla a exclusão de ilicitude do aborto “por razões de natureza económica e social” até às 16 semanas (cf. alínea c do nº1).

É patente a armadilha estendida ao cidadão votante no referendo: se as 10 semanas vencerem, a liberalização irá na prática até às 16, uma vez que as sobreditas “razões” económicas ou sociais não excluem “pedidos” e “opções”. Isto se o processo legislativo subsequente ao referendo não alterar nada, o mais provável uma vez que este expediente satisfaz mais que amplamente o que estava proposto nos projectos dos outros partidos de esquerda.

Urge denunciar e esclarecer a situação.

1/12/2007 09:15:00 da tarde  
Blogger luz branca escreveu...

O vídeo não mostra apenas fetos com 10 semanas!!! Hé fetos com muito mais tempo. É uma manobra enganadora e rasteira. Mas concordo que os mais pequeninos sejam de 10 semanas e fiquei de facto impressionada. Eu pessoalmente teria muitas dificuldades em alguma vez me decidir por realizar um aborto. Mas a liberdade de cada um não pode ser imposta pelos outros nem pelo Estado.
Eu sou contra o aborto mas pelo "sim" da sua despenalização.

1/15/2007 01:05:00 da manhã  

Enviar um comentário

<< Entrada