terça-feira, dezembro 19, 2006

DIVULGAÇÃO LITERÁRIA

Eu Abortei - Testemunhos Reais de Abortos Provocados
Autora: Sara Martin Garcia
Apresentação do Livro: Na sociedade actual, há um círculo de silêncio que limita qualquer possibilidade de compreensão do que significa um aborto provocado e de quais são as suas consequências dramáticas. A mensagem é clara: «Aborta, e ficas com o teu problema resolvido!». Mas estas palavras trazem consigo um vazio irreversível. Como afirma uma mulher que abortou: «Agora penso no meu bebé a cada instante [...] já não está cá, e eu estou vazia, completamente vazia». «Tudo quanto vivo deve-se à vida dum ser humano, mas sou incapaz de aceitar que a minha comodidade e a minha liberdade tenham esse preço», confessa um rapaz que ajudou a namorada a abortar. Este livro reúne uma série de testemunhos impressionantes de mulheres que abortaram e de outras pessoas que com elas pactuaram nessa decisão. São elas próprias quem nos dá conta da sua experiência e da forma como ela marcou as suas vidas. É a denúncia de uma realidade tremenda de que ninguém fala. Mas também um apelo à esperança. Eis a voz das vítimas.

Aborto - Uma Abordagem Serena
Autor: João César das Neves
Apresentação do Livro: Este livro pretende fazer uma abordagem serena do aborto e das questões incontornáveis que se levantam no debate sobre este tema. Segundo o seu autor, «este debate é o teste em que a nossa geração vai provar a sua dignidade e a sua elevação. A luta por uma sociedade digna e uma vida com sentido trava-se hoje neste campo. [...] O debate à volta da despenalização do aborto não é uma simples discussão política. Trata-se de um confronto civilizacional decisivo, em que se joga o futuro da nossa sociedade. O que está em causa não é a sorte de algumas pessoas, mas toda a nossa cultura, porque as posições que se digladiam são duas formas opostas de ver o humano». No debate sobre o aborto, sobrecarregado de opiniões nem sempre bem fundamentadas e esclarecidas e perpassado muitas vezes de extremismo e intolerância, faz falta uma exposição clara e lúcida como esta de João César das Neves, que não deixará ninguém indiferente.

Aborto - O Ponto de Vista da Bioética
Autor: Elio Sgreccia
Apresentação do Livro: O tema do aborto pode ser tratado sob diversas perspectivas: a histórica, a sociológica, a legal, a teológico-moral e canónica, a psicológica ou a cultural. O aspecto que Elio Sgreccia pretende considerar neste texto é o de carácter bioético – aquele que se funda nos resultados da biologia e da genética e avalia o aborto à luz da ética racional. Trata-se, por isso, de «examinar se o embrião humano é vida humana individualizada desde o primeiro momento da fecundação, ou se o não é; e, no caso de o ser, se existem circunstâncias em que se torna lícita, e eticamente aceitável, a supressão ou interrupção voluntária da gravidez».


[Demokrata]

4 Comentários:

Anonymous Anónimo escreveu...

Eu realmente acho que a vossa posição é da maior hipocrisia e falta de respeito que já se viu alguma vez na vida.. Isto é como a eutanásia.. Mas quem é que vocês se julgam, para vir aqui falar em nome de outras pessoas?? Para lhes dizer o que é correcto e o que não é correcto?? Voces não passam de uns hipócritas que têm a mania que têm a moral toda!!! Além disso discutir o aborto é discutir a pobreza.. Voces devem ter concerteza nascido em boas famílias e devem ter tido educações saudáveis e uma vida que nunca vos deve ter pregado grandes partidas, e realmente eu achava extrema piada se voces por um dia estivessem no lugar de mulheres que acordam as 6 da manha para ir trabalhar e regressassem as 8 da noite a casa, muitas vezes com o salario minimo e muitos filhos em casa!!!Realmente eu gostava que fossem voces que lhe dissessem ao marido bebado que muitas vezes a força a ter relações sexuais a meter a camisinha!! Era mesmo giro que fossem vocês a ter um aborto num vão de escadas!! CAMBADA DE PALHAÇOS não falem daquilo que não conhecem

12/19/2006 06:52:00 da tarde  
Anonymous Paulo Costa escreveu...

Quando não há argumentos o insulto torna-se a arma...usando o anonimato,claro.
Abraço,
Aproveito para te desejar um feliz natal

12/19/2006 08:00:00 da tarde  
Blogger Vera escreveu...

"Isto é como a eutanásia.. "

Não, não é. Na eutanásia a própria pessoa pede para morrer. Até hoje nunca encontrei nenhum embrião suicída.

"e realmente eu achava extrema piada se voces por um dia estivessem no lugar de mulheres que acordam as 6 da manha para ir trabalhar e regressassem as 8 da noite a casa, muitas vezes com o salario minimo e muitos filhos em casa!!!"

Conheço um caso digno de respeito, que preenche quase todos os "requisitos" do teu drama. Com uma excepção: 6 filhos, 2 deficientes e..não chega a casa às 8h da noite porque simplesmente estão todos desempregados. Quando teve a última filha o médico aconselhou-a a abortar, pois já tinah 2 filhos deficientes e esta última gravidez já era de risco por ela ter uma idade avançada. Ela, que nasceu numa ddas épocas masi pobres do país, num dos sítios mais pobres, onde sempre viveu...mal sabendo escrever, recusou-se desde o primeiro segundo. Tudo depende dos sentimentos e dos valores das pessoas em causa. Ah..e a menina não só não nasceu deficiente como hoje é feliz.

Quanto aos problemas económicos..existem inúmeras medidas para que possam ser ultrapassados. E não é a legalização do aborto que as torna mais livres, ricas ou felizes com os maridos. Além do mais, o caso que descreveste é uma violação...

12/19/2006 08:17:00 da tarde  
Blogger Kate escreveu...

Caro anónimo,
Eu também acho inacreditável que me venham para aqui dizer "correcto e o que não é correcto" - então porque é que se eu atropelar uma velha hei-de ir presa? Quem é você para me dizer que isto está errado?
Quanto às boas famílias, graças a Deus nasci numa família óptima onde todos são benvindos. Se quiser apareça...

12/21/2006 02:12:00 da manhã  

Enviar um comentário

<< Entrada