sábado, novembro 11, 2006

Não podemos permiti-lo!

"Versos da Menina Morta

Entre as flores, sorri...
Já não as vê, as flores,
Já não as sente, sequer,
A cobrirem o seu vestido branco,
Mas sorri...

Não era a Mãe, não era...
Aqueles passos leves, leves,
Aquelas mãos suavíssimas, poisadas
Na testa da Menina,
Eram da Morte, eram da Morte...
Não era a Mãe, não era...
(«Ai dorme... dorme...»)
Não era a Mãe, não era...
Mas a menina doente, que não via
Nem ouvia
Senão p'lo coração,
Julgou que fosse a Mãe que entrava assim de manso
No seu quartinho branco...
E a Menina sorriu...

(Eram da Morte os passos...
Eram da Morte, eram da Morte as mãos
Que lhe poisavam, meigas, sobre a testa...
«Ai dorme... dorme...»)

E a Menina, sorrindo, adormeceu...

Dorme, sorrindo, entre açucenas
Que sorriem também
E vão também adormecer sorrindo..."
in "Serra Mãe", Sebastião da Gama


O meu grande agradecimento ao sr. Vitor Ramalho pelo convite à participação no "Pela Vida".

3 Comentários:

Blogger Manuel escreveu...

Seja bem-vindo! Isto estava a precisar de reforços!

11/11/2006 06:39:00 da tarde  
Blogger Demokrata escreveu...

Seja bem-vindo caro Santos R. Queiroz. E bons posts!

11/11/2006 09:50:00 da tarde  
Blogger Camisa Azul escreveu...

Seja bemvindo e saudações

11/11/2006 10:42:00 da tarde  

Enviar um comentário

<< Entrada